Black Friday deve crescer 15% e êxito nas vendas exige investimento

 

O fim do ano se aproxima e junto com ele o anseio de fazer as tradicionais compras, momento em que a Black Friday pode ser uma grande aliada. Em especial no comércio eletrônico, que concentra grande parte das vendas, as aquisições devem crescer 15%, segundo uma estimativa da Ebit. Essencial para o comércio, pois favorece o aquecimento do mercado, ela também traz vantagens ao consumidor. Embora muitos se preocupem com a veracidade das informações, com os preços oferecidos e com os sistemas de cobrança, essa ainda é uma das datas mais importantes do varejo. Nesse sentido, pensar em como tornar a marca conhecida e oferecer não só produtos, como também um atendimento de qualidade certamente irão favorecer a fidelização dos clientes.

 

O período que antecede a Black Friday costuma ser de baixas vendas e por isso, é propício para alinhar a demanda com a produção, pois assim não há um trabalho desnecessário, sem contar que os itens não ficam parados por muito tempo. Ou seja, trata-se de um investimento contido, de acordo com o que o mercado pede. Aproveitar para pensar em como realizar um marketing eficiente e aprimorar a plataforma do e-commerce também é uma ação importante nessa temporada. É preciso destacar a empresa em meio às outras e buscar maneiras de atrair o consumidor em grandes campanhas como essa.

 

A Black Friday, que será no dia 23 de novembro, é uma grande oportunidade para as empresas venderem produtos parados no estoque e que por isso permitem a queda dos preços. Também são propícias ações que ajudem a divulgar a marca, tornando-a conhecida entre os consumidores. Isso é necessário, pois independentemente da aquisição dos produtos nesse período, caso o cliente tenha ficado satisfeito com a proposta apresentada pela empresa, há uma grande chance de ele voltar a procurá-la em compras futuras, especialmente no mês de dezembro para o Natal.

 

Embora com bastante adesão, muitos ainda se preocupam com as ofertas fraudulentas e falsos descontos oferecidos na Black Friday, o que afasta parte da clientela. Ainda assim, o cenário é favorável ao empresário, pois o levantamento do número de pessoas que não pretendem comprar por esse motivo diminuiu de 38% em 2017 para 35% este ano, de acordo com a Ebit, empresa focada em disseminar dados de monitoramento do e-commerce.

 

A Go Biz, agência de marketing digital, orienta que as empresas procurem destinar uma verba específica para investimento em marketing no período da Black Friday, que envolve desde estrutura da loja virtual à divulgação no Google e também nas redes sociais. “É preciso transmitir seriedade e segurança ao consumidor, sempre respeitando as vontades e possibilidades. Oferecer um serviço diferenciado é estar atento às novidades do mercado para otimizar o site, permitindo uma excelente experiência de compra”, destaca. Diminuir o prazo de entrega, melhorar as condições de pagamento e disponibilizar cupom de desconto para compras futuras também são estratégias que podem conquistar cada vez mais clientes.

 

A pesquisa da Ebit estima ainda que só o e-commerce deve faturar na Black Friday R$ 2,43 bilhões e que o número de pedidos geral deve subir de 3,76 milhões para 4 milhões, uma expansão de 6,4%. O tíquete médio deverá ser de R$ 607,50, o que representa uma alta de 8%.