Fraudes no comércio eletrônico prejudicam a autoridade das empresas

 

O crescimento do comércio eletrônico tem sido grande nos últimos tempos, o que demonstra um importante passo na economia, bem como na desburocratização dos processos de compra. Muito atrativo para os clientes, o e-commerce possui inúmeras facilidades que permitem adquirir produtos sem precisar sair de casa. Mas por outro lado, tamanha praticidade faz com que pessoas mal-intencionadas implantem sistemas fraudulentos para roubar dados e informações pessoais. Para evitar que os consumidores tenham más experiências, é fundamental que os empreendedores do ramo estejam atentos a essas armadilhas, de modo a proporcionar segurança na hora da compra, combatendo as fraudes no comércio eletrônico.

 

Várias são as responsabilidades de um gerenciador de e-commerce. Quantidade de produtos em estoque, entrega dentro do prazo estipulado, qualidade no atendimento, além das diferentes estratégias para alcançar clientes a cada dia. Embora alguns se preocupem com a prevenção às fraudes no comércio eletrônico, nem sempre essa é uma questão à qual as pessoas dispensam muita atenção, mesmo sendo crucial para o sucesso do negócio.

 

Para exemplificar a gravidade disso, no ano de 2017 uma onda de ataques cibernéticos tomou conta dos noticiários. Envolvendo empresas e órgãos governamentais de vários países, inclusive do Brasil, o roubo de informações confidenciais fez com que muitas empresas tivessem que cessar suas atividades até que tudo fosse normalizado. Um ciberataque nada mais é do que uma tentativa de invasão a sistemas e máquinas com o intuito de chantagear as empresas a pagar para voltar a ter acesso às informações.

 

Trazendo o potencial maligno desse tipo de atividade para a realidade dos negócios online, o roubo de dados de cartão de crédito ou mesmo a troca do endereço de entrega são as mais recorrentes fraudes no comércio eletrônico. A partir do momento em que uma pessoa mal-intencionada acessa as informações de um site, há uma série de mecanismos que ela pode utilizar para se beneficiar deles. Um dos tipos de fraude é a que tem como objetivo roubar o produto vendido, alterando o endereço de entrega antes do envio do produto. Outro caso em que a tecnologia é usada de maneira equivocada é quando são explorados os chatbots. Durante a verificação do cartão de crédito, um bot falso pede novamente as informações com a desculpa de confirmar a validade. Quando inseridas as informações, a pessoa do outro lado já estará com todos os dados necessários para realizar outras transações online, gerando uma série de prejuízos ao consumidor.

 

A Go Biz, agência de marketing digital, explica que as possibilidades da internet atualmente são extremamente importantes para que um e-commerce se torne conhecido, aumentando a conversão de venda. Porém, da mesma forma que ela tem muito a agregar, é importante que os gestores estejam atentos às possíveis fraudes no comércio eletrônico, garantindo segurança no processo de compra. “De nada adianta um marketing bem feito se a empresa não tiver credibilidade no mercado e a confiança do consumidor. Trata-se de um trabalho conjunto para que o sucesso das vendas seja efetivamente garantido”, comenta. Assim, a recomendação é realizar uma avaliação contínua dos sistemas utilizados, de modo a prevenir possíveis invasões que venham a prejudicar a autoridade da empresa perante o cliente, permitindo o crescimento contínuo do negócio.